12 de janeiro, 2023 ines.gaiola@c21tipyfamily.com

Rendas das casas voltaram a subir em dezembro em 3,3%

Arrendar casa em Portugal ficou mais caro em todas as regiões do país. Lisboa e Açores registaram os maiores aumentos das rendas.

Uma das questões estruturais de Portugal é que há falta de casas no mercado de arrendamento. E é precisamente o desequilibro existente entre escassa oferta para uma alta procura que tem desencadeado a subida dos preços das casas para arrendar no país. Em dezembro de 2022, as rendas das casas voltaram a subir, em concreto, 3,3% face ao período homólogo, apontam os dados do Instituto Nacional de Estatística esta quarta-feira publicados.

“A variação homóloga das rendas de habitação por metro quadrado foi de 3,3% em dezembro de 2022 (3,2% no mês anterior)”, informa o gabinete de estatística português na nota publicada esta quarta-feira, dia 11 de janeiro. E diz ainda que as rendas das casas subiram em todas as regiões do país. Os aumentos mais “intensos” foram registados em Lisboa e nos Açores (3,6%).

O valor médio das rendas de habitação por metro quadrado registou uma variação mensal de 0,2%, taxa inferior em 0,1 p.p. à do mês anterior. A região com a variação mensal positiva mais elevada foi a Madeira, com uma taxa de 0,4%. Nenhuma região registou uma variação negativa no respetivo valor médio das rendas das casas.

No que diz respeito ao conjunto do ano 2022, a variação média anual do valor das rendas de habitação por metro quadrado de área útil fixou-se em 2,7% (1,8% em 2021). Uma vez mais, as rendas das casas subiram em todas as regiões do país. E foi em Lisboa (2,9%), onde a variação média mais elevada.

De referir que o índice de rendas de habitação incluído no IPC é relativo a todo o stock de habitação arrendado em cada período analisado.

Fonte: Idealista
Autor: Redação