14 de outubro, 2022 ines.gaiola@c21tipyfamily.com

Arrendar casa em Portugal está 2,9% mais caro que há um ano

Preço do metro quadrado (m2) subiu 2,9% em setembro face ao mesmo mês do ano passado, segundo dados do INE.

Arrendar casa voltou a ficar mais caro em setembro, com o preço do metro quadrado (m2) a subir 2,9% face ao mesmo mês do ano passado. Trata-se de um aumento homólogo comparativamente com o aumento de 2,8% verificado em agosto. Em causa estão dados divulgados esta quinta-feira (13 de outubro de 2022) pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

“A variação homóloga das rendas de habitação por m2 foi 2,9% em setembro de 2022 (2,8% no mês anterior). Todas as regiões apresentaram variações homólogas positivas das rendas de habitação, tendo Lisboa registado o aumento mais intenso (3,1%)”, conclui o gabinete nacional de estatísticas.

Segundo o INE, em termos mensais, ou seja, em setembro face a outubro, o valor médio das rendas de habitação por m2 registou uma variação de 0,3%, à semelhança do valor verificado em agosto, face a julho.

“As regiões com a variação mensal positiva mais elevada foram a do Norte e Algarve (0,4%), não se tendo observado qualquer região com variação negativa do respetivo valor médio das rendas de habitação”, lê-se no boletim do INE.

Subida das rendas limitada a 2% em 2023

De recordar que o Governo decidiu avançar com um travão à subida das rendas em 2023. O aumento seria de 5,43%, o valor indexado à inflação, mas será apenas de 2%, sendo esta uma das medidas anunciadas pelo Executivo para combater, precisamente, o aumento da taxa de inflação, que em setembro acelerou para 9,3%, o valor mais alto desde outubro de 1992.

Para compensar os senhorios, que ficam limitados a aumentar as rendas até 2%, no máximo, o Governo anunciou que vai conceder-lhes benefícios fiscais. Segundo a informação que consta no Orçamento do Estado para 2023 (OE2023), estas compensações vão abranger cerca de um milhão de senhorios e vão custar ao Estado 45 milhões e euros.

Fonte: Idealista