27 de julho, 2022 ines.gaiola@c21tipyfamily.com

Oferta de casas à venda em Portugal desceu 25% num ano

Depois de uma queda registada devido à pandemia, os negócios das casas voltaram em força durante o ano passado, com a venda de casas em Portugal a disparar 19,4% entre 2020 e 2021, apontou o Eurostat. E o aumento da transação de casas registado no último ano provocou uma descida de 25% no stock de casas disponíveis para venda no segundo trimestre de 2022, face ao que estava disponível no mesmo período de 2021, aponta um estudo do idealista, o principal Marketplace imobiliário do sul da Europa.

Menos casas à venda em quase todas as capitais de distrito

oferta de casas à venda em Portugal desceu em 18 capitais de distrito no último ano. A liderar a lista encontra-se Faro (-37%), seguida por Coimbra (-34%), Porto (-33%) e Vila Real (-31%), sendo estas as capitais de distrito onde o stock disponível para comprar casa mais desceu. Seguem-se Leiria (-27%), Évora (-26%), Viana do Castelo (-24%), Lisboa (-24%), Beja (-24%), Portalegre (-23%), Braga (-23%), Setúbal (-21%), Viseu (-19%), Ponta Delgada (-11%), Funchal (-8%), Bragança (-8%), Aveiro (-7%) e Castelo Branco (-6%).

Por outro lado, Guarda foi a cidade onde mais cresceu a oferta de casas à venda (28%), seguida por Santarém (11%). Estas foram as únicas cidades analisadas onde o stock de casas para comprar aumentou neste período.

Oferta de casas à venda cai em 17 distritos

Analisando os 18 distritos e duas ilhas portuguesas, salta à vista que a oferta de casas à venda caiu durante o último ano em quase todas as localidades à exceção da Guarda. O distrito que sentiu a maior queda de stock de casas no mercado foi Faro (-38%), seguido de Lisboa (-28%) e Porto (-27%). Logo a seguir estão Leira (-26%), Coimbra (-24%), Évora (-22%), Setúbal (-21%), Braga (-15%), Beja (-14%), ilha de São Miguel (-14%), Aveiro (-14%), ilha da Madeira (-11%), Viana do Castelo (-11%), Santarém (-10%) e Bragança (-10%).

Já os distritos onde a oferta de casas para comprar menos desceu foram Castelo Branco (-3%), Vila Real (-3%), Portalegre (-5%) e Viseu (-6%).

O distrito da Guarda foi o único que viu a oferta de casas à venda subir no segundo trimestre do ano, em concreto 27%.

 

Fonte e artigo completo: Idealista