2 de maio, 2022 ines.gaiola@c21tipyfamily.com

Arrendar casa ficou ligeiramente mais caro em abril – preço subiu 0,4%

Em Viseu, as rendas deram o salto de 6,8%. Já em Castelo Branco desceram -5,3%, aponta estudo do idealista.

Com os preços das casas à venda a subir e o crédito habitação a tornar-se menos apetecível – dada a subida das taxas Euribor e os novos prazos consoante a idade –, arrendar casa continua a ser uma opção em cima da mesa para muitos portugueses. E como está a evoluir o mercado de arrendamento? Em abril, as casas para arrendar ficaram ligeiramente mais caras do que no mês anterior, tendo subido 0,4%. Isto quer dizer que arrendar casa tinha um custo mediano de 11,1 euros por metro quadrado (euros/m2) no final do mês de abril deste ano, de acordo com o índice de preços do idealista. Em relação à variação trimestral, a subida foi de 2,1% e a anual de 0,5%.

Rendas sobem em 8 capitais de distrito e descem em 5

Passando a pente fino os dados por capitais de distrito, salta à vista que o preço das casas para arrendar subiu em oito capitais de distrito, com Viseu a liderar as subidas (6,8%). Na lista das subidas está ainda Leiria (6,5%), Aveiro (3,5%), Braga (3,1%), Faro (2,6%), Viana do Castelo (1,4%), Funchal (1%) e Lisboa (0,3%).

O que os dados também nos mostram é que as casas para arrendar ficaram mais baratas em cinco capitais de distrito. A maior descida de todas foi registada em Castelo Branco (-5,3%), seguido de Ponta Delgada (-2,6%), Coimbra (-0,6%), Setúbal (-0,4%) e Porto (-0,2%).

E em que cidades capitais de distrito é mais caro arrendar casa? Lisboa continua a estar em primeiro lugar, apresentando rendas medianas no valor de 13,9 euros/m2. Em segundo está o Porto (10,9 euros/m2) e em terceiro Funchal (9,8 euros/m2). Seguem-se Faro (9,1 euros/m2), Setúbal (8,5 euros/m2), Aveiro (8,2 euros/m2), Coimbra (7,9 euros/m2) e Ponta Delgada (6,9 euros/m2).

onde é mais barato arrendar uma habitação? Castelo Branco apresenta os preços das rendas mais baixos (4,7 euros/m2), seguindo de Viseu (5,6 euros/m2), Viana do Castelo (6,2 euros/m2), Leiria (6,3 euros/m2) e Braga (6,7 euros/m2).

Em que distritos e ilhas as rendas estão mais caras? E mais baratas?

As casas para arrendar ficaram mais caras na maioria dos distritos e ilhas analisados. A maior subida foi registada em Viana do Castelo (9,3%), seguido de Faro (3,7%), Santarém (3,2%), Braga (2,9%), Leiria (2,9%), Viseu (2,2%), Ilha da Madeira (0,6%), Lisboa (0,5%), Setúbal (0,3%) e Aveiro (0,2%).

Mas também houve distritos onde as arrendar casa ficou mais económico. São eles: Vila Real (-6,2%), Ilha de São Miguel (-2,4%), Castelo Branco (-1,6%), Porto (-1,3%) e Coimbra (-0,8%).

O ranking dos distritos mais caros para arrendar casa é liderado por Lisboa (13,2 euros/m2), seguido por Faro (10,5 euros/m2), Porto (9,9 euros/m2), Ilha da Madeira (9,5 euros/m2) e Setúbal (9,0 euros/m2). Arrendar casa em Viana do Castelo custa 7,4 euros/m2, em Coimbra 7,4 euros/m2 e Ilha de São Miguel 7,0 euros/m2.

Já as casas para arrendar com os preços mais económicos encontram-se em Vila Real (4,3 euros/m2), Viseu (5,1 euros/m2), Castelo Branco (5,4 euros/m2), Santarém (5,5 euros/m2), Leiria (6,7 euros/m2) e Braga (6,9 euros/m2).

Rendas sobem em quase todas as regiões do país

Durante o mês de abril, os preços das casas para arrendar desceram em apenas duas regiões. A liderar as descidas, encontra-se a Região Autónoma dos Açores (-5,4%), seguida pelo Norte (-1,3%). Por outro lado, os preços das rendas subiram no Alentejo (3,9%), Algarve (3,7%), Centro (1,1%), Região Autónoma da Madeira (0,7%) e Área Metropolitana de Lisboa (0,5%).

A Área Metropolitana de Lisboa, com 12,8 euros/m2, continua a ser a região mais cara para arrendar uma casa, seguida pelo Algarve (10,5 euros/m2), Região Autónoma da Madeira (9,5 euros/m2) e o Norte (9,3 euros/m2). Do lado oposto da tabela encontram-se o Centro (6,6 euros/m2), a Região Autónoma dos Açores (6,8 euros/m2) e o Alentejo (7,7 euros/m2) que são as regiões mais baratas para arrendar casa.

Índice de preços imobiliários do idealista

Para a realização do índice de preços imobiliários do idealista, são analisados ​​os preços de oferta (com base nos metros quadrados construídos) publicados pelos anunciantes do idealista. São eliminados da estatística anúncios atípicos e com preços fora de mercado.

Incluímos ainda a tipologia “moradias unifamiliares” e descartamos todos os anúncios que se encontram na nossa base de dados e que estão há algum tempo sem qualquer tipo de interação pelos utilizadores. O resultado final é obtido através da mediana de todos os anúncios válidos de cada mercado.

O relatório completo encontra-se em: https://www.idealista.pt/media/relatorios-preco-habitacao/arrendamento/.

Fonte: Idealista