12 de agosto, 2020 brandmanager@c21tipyfamily.com

Rendas baixam em 25% dos imóveis que surgem para arrendamento

Rendas baixam em 25% dos imóveis que surgem para arrendamento

 

No 2º trimestre, 25,7% das casas em oferta para arrendamento no país foram alvo de uma revisão na renda pedida. A revisão foi de -13,3%.

De acordo com os dados divulgados hoje pelo Confidencial Imobiliário no âmbito do SIR-Arrendamento, base de dados que monitoriza a dinâmica do mercado de arrendamento residencial, ambos os indicadores apresentam um agravamento face ao 1º trimestre do ano, quando 17,8% das casas em oferta no mercado de arrendamento reviu o valor pedido em -11,0%.

Segundo Ricardo Guimarães, director da Confidencial Imobiliário, “esta revisão é normalmente utilizada pelos proprietários para melhorar as possibilidades de arrendar o seu imóvel. Haver não só mais proprietários dispostos a rever o valor da renda pedida, como aumentar a magnitude da revisão, é uma consequência natural da estagnação da procura trazida pela pandemia, a qual já começou a pressionar as rendas contratadas em baixa”.

Em Lisboa, a amplitude da revisão da renda pedida foi semelhante (-13,1%) ao resto do país, mas incidiu sobre 33,2% da carteira de casas para arrendamento em oferta na cidade.

Já no Porto, foram alvo de revisão de renda 24,3% dos fogos em oferta no trimestre, revendo-se o valor em -15,7%.

Ambas as cidades reflectem igualmente um agravamento nestes indicadores face ao trimestre anterior.A renda média pedida em Portugal Continental no 2º trimestre deste ano ascendeu a 12,2 euros/m² atingindo 15,5 euros/m² em Lisboa e 12,5 euros/m² no Porto.

Fonte: Diário Imobiliário