26 de novembro, 2019 rcruz

Compra e venda de imóveis refletem sinais de abrandamento

Apesar do seu contínuo crescimento, o mercado imobiliário apresenta uma dinâmica mais moderada, que se tem traduzido numa estabilização do mercado em 2019. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), no segundo trimestre deste ano registou-se uma diminuição do número de vendas de imóveis, que caíram 6,6%, face a período homólogo.

No total, entre abril e junho foram transacionados 42590 imóveis. No conjunto das transações realizadas, 6107 constituíram habitações novas, numa redução de 9,4% face ao mesmo período do ano passado. A maioria das transações continua a envolver a venda de habitações existentes (85,7% do total). Tratam-se de 36483 unidades, que traduzem um decréscimo de 6,2%, comparativamente ao que foi registado em igual período de 2018.

A nível global, as vendas nacionais englobaram 6,1 mil milhões de euros, o que transparece uma diminuição face ao ano passado. No que toca ao posicionamento regional, a Área Metropolitana de Lisboa e a região Norte representaram, em conjunto, sensivelmente 63% do total de transações. Conforme destaca o INE, trata-se da percentagem mais baixa a ser observada nos últimos três anos.

Entre março e junho de 2019, foram vendidas 14804 habitações na Área Metropolitana de Lisboa e 12043 na região Norte. Numa leitura ao valor das habitações transacionadas, também é possível constatar que as duas regiões registaram quedas neste parâmetro.

Analisando o segundo trimestre de 2019, sobressai o valor transacionado na Área Metropolitana de Lisboa (2,8 mil milhões de euros), seguido pela região Norte, que congregou 1,4 mil milhões de euros em vendas. As duas regiões concentram 46,3% e 23,2% do valor total, respetivamente. Contudo, as percentagens demonstram os montantes mais baixos dos últimos cinco trimestres.

Fonte: Nave Tipy Family
Autora: Cláudia Cristão