17 de novembro, 2019 rcruz

Como distinguir um bom de um mau mediador imobiliário?

Man holding model house — Image by © Tetra Images/Corbis

Como em todas as áreas, existem bons e maus profissionais. Mas como distingui-los? Com mais de 20 anos de experiência, Massimo Forte considera que é um “bom indício” que o mediador tenha uma zona de atuação, um segmento ou especialidade. Depois existem os factos: o tempo de experiência, quais os resultados que obteve (por exemplo, o volume de transação por ano) e qual a notoriedade que tem na zona onde atua. A informação online é uma fonte importante, mas o mais sensato antes de “assinar o que quer que seja” é conhecer pessoalmente o agente de mediação imobiliária e fazer perguntas in loco.“Aconselho a ir ao café mais popular da zona e perguntar ‘sabe aqui nas redondezas quem é que vende mais casas?’. Esta é uma forma de medir a notoriedade no terreno” Massimo Forte

O também docente da Pós-Graduação de Investimentos Imobiliários do INDEG-ISCTE realça ainda a necessidade da formação técnica e ética na área da mediação imobiliária. Massimo Forte refere a sua experiência em mercados de diferentes países, considerando que Portugal apresenta um bom nível de profissionais. “Portugal apresentou permeabilidade às marcas norte-americanas, que vieram trazer novos sistemas e métodos ao mercado da mediação imobiliária.”

Fonte: Observador