19 de dezembro, 2018 rcruz

Portugal ocupa o 11º na subida de preços das casas a nível mundial

Até ao terceiro trimestre de 2018, Portugal subiu ao 11º lugar do ranking mundial na subida de preços das casas, com um aumento de 1.95%, em relação ao período homólogo.

De acordo com o Global Property Guide, dos 45 mercados de habitação do mundo, que até agora publicaram estatísticas de habitação, verifica-se que os mercados estão prestes a desacelerar, mas os fortes aumentos dos preços das casas continuam na Europa e em partes da Ásia.

Os preços das casas subiram em 25 dos 45 mercados analisados e caíram em 20. No entanto, mais da metade dos mercados imobiliários pesquisados mostraram um momento mais fraco durante o ano até o terceiro trimestre de 2018 em comparação com o ano anterior, sugerindo que o boompode estar a abrandar.

Os mercados imobiliários mais fortes no estudo global de preços de habitação durante o ano até ao 3.º trimestre de 2018 incluem: Malta (+ 12,86%), Hong Kong (+ 11,11%), Países Baixos (+ 8,45%), Singapura (+ 7,93%) e Irlanda ( + 7,21%), utilizando valores ajustados pela inflação.

As maiores quedas nos preços foram no Egipto (-20,91%), Turquia (-11,27%), Dubai, Emirados Árabes Unidos (-8,73%), Kiev, Ucrânia (-6,27%) e Xangai, China (-4,49%), novamente usando números ajustados à inflação.

Malta é agora o mercado imobiliário mais forte nesta pesquisa global, com os preços de imóveis residenciais a subir 12,86% durante o ano até o terceiro trimestre de 2018.

Já os preços dos imóveis residenciais de Hong Kong subiram 11,11% durante o ano até o 3T 2018, após aumentos de 13,64% no 2T 2018, 12,28% no 1T 2018, 12,78% no 4T 2017 e 13,41% no 3T 2017.

O mercado imobiliário da Holanda continua a apresentar um desempenho muito bom, com o preço médio de compra de todas as residências a crescer 8,45% durante o ano até o 3T 2018, a par com o crescimento de 8,23% do ano anterior.

O mercado imobiliário de Singapura regressou inesperadamente, após quatro anos de quedas nos preços das casas, graças à forte procura e a uma economia saudável.

Com a economia da Irlanda a crescer 7,3% no ano passado, não é de surpreender que o mercado imobiliário permaneça muito forte. Os preços dos imóveis residenciais aumentaram 7,21% no ano até o terceiro trimestre de 2018.

Outros mercados imobiliários europeus fortes incluíram a Alemanha, com os preços das casas a subir 5,15% durante o ano até o terceiro trimestre de 2018, Portugal (4,7%), Atenas, Grécia (2,71%), Espanha (2,39%), Islândia (2,2%) e Jersey. (2,09%).

Entre os mercados imobiliários mais fracos da Europa, encontra-se o da Turquia que continua a enfraquecer, com uma moeda fraca (a lira), inflação alta e um conflito político com os EUA. Também o mercado imobiliário da Ucrânia continua deprimido, apesar das melhores condições económicas. Os preços dos apartamentos do mercado secundário em Kiev caíram 6,27% (ajustados pela inflação) durante o ano até o terceiro trimestre de 2018.

boom de preços da casa na Suécia acabou, rumo à queda na procura e na oferta. O índice nacional de preços imobiliários caiu 3,46% durante o ano até o terceiro trimestre de 2018, em forte contraste com o aumento de 5,73% no ano anterior. Foi a maior queda anual desde o segundo trimestre de 2012.

Outros mercados habitacionais europeus fracos incluíram a Suíça, com os preços das casas a cair 2,61% durante o ano para o terceiro trimestre de 2018, Montenegro (-1,21%), Estónia (-0,77%), Reino Unido (-0,49%), Finlândia (-0,35%), Noruega (-0,32%) e Roménia (-0,13%). Apenas Montenegro, Roménia e Suíça apresentaram crescimento no último trimestre. Todos mostraram um desempenho mais fraco no terceiro trimestre de 2018 em comparação com o ano anterior.

 

Fonte: Diário Imobiliário